26 de maio de 2015

A trajetória de vida de Maria Lindalva Rodrigues

Lindalva Rodrigues, com cerca de 22 anos 
      Maria Lindalva Rodrigues, nasceu em 16 de  Março de 1922 em Quincuncá, filha  legítima de Raimundo Rodrigues da Silva (Filho de "Zé Rodrigues" doador do patrimônioa  São José) e Maria Rodrigues da Conceição, sendo ela a segunda de sete irmãos(a) Josafá, Antônio, Marcelino, Aluízio, Maria Nilza e Antônia.
     Seus pais eram católicos e desde cedo transmitiu os valores cristãos aos filhos, tanto é que Lindalva foi batizada no dia 20 de março de 1922 na capela de São José com apenas quatro dias de nascida, como se é na tradição católica. Foram seus padrinhos: Celso Duarte Brandão e Damiana Rodrigues da Silva.
     Sua família dispunha de condições de vida um pouco melhores que os demais, porque eram proprietários de terras, mesmo assim em época de estiagem prolongada passavam por dificuldades.
     Com a morte repentina de seu pai Raimundo em 13 de julho de 1936, levou aos 14 anos, a jovem Lindalva e os seus irmãos(a)  ajudar a mãe na agricultura para garantir o sustento de ambos, décadas mais tarde veio a falecer Dona Maria Rodrigues no dia 11 de junho de 1966 quando os filhos já estavam adultos.

Lindalva Rodrigues, com cerca de 70 anos
     Lindalva Rodrigues como assim era conhecida não casou-se, manteve sempre uma vida de oração e penitencia, assumiu o cargo de coordenadora da capela de São José por volta do ano de 1944 aproximadamente aos 22 anos, quando ainda era a primitiva capela construída por seu avô, posteriormente suas irmãs Maria Nilza Rodrigues e Antônia Rodrigues a auxiliaram neste trabalho. Foi uma das "cabeças" para  construção da atual capela, desde o demolimento da antiga até a finalização da nova, o que levou 11 anos, e foi fruto do angariamento de contribuições feitas  à pé em vilas e sítios vizinhos e do obtido na festa de partidos e demais comemorações.
Coroação de Nossa Senhora. 31. Maio de 1978.
    No período da festa de São José no mês de março, dona Lindalva era quem tirava a novena, cantava e desempenhava demais atividades, principalmente de cunho religioso. No dia 16 de março data do seu aniversário ornamentava a capela com flores naturais em agradecimento a Deus e a São José pelas graças recebidas. Foi ela a encarregada de transmitir as futuras gerações,  as manifestações culturais e especialmente religiosas, como a festa de São José por partidos, quando na ocasião dois grupos eram formados, liderados por chefes (pessoas de prestígio), dividiam-se em dois partidos, equipes chamadas azul e amarelo que disputavam quem arrecadava mais donativo, no término do festejo grande era a euforia quando o vigário anunciava o partido vencedor. Eventos como a coroação de Nossa Senhora realizada no mês de maio, lapinhas e etc, enriquecia a cultura e a religiosidade local. 
     Era catequista, desde modo instruía jovens a participar do coral, e dar sua parcela de contribuição na realização dos eventos, especialmente a festa do padroeiro em março. Após 44 anos de trabalho voluntario nesta instituição, esgotada de forças para administrar o cargo que lhe foi cabido, entregou as chaves no ano de 1984 ao Senhor Pedro Natalício da Silva que a partir dali coordenou a igreja com sua irmã Mirtes Pereira e Maria Pereira de Moraes. Apesar de ter entregado a responsabilidade a outros, ela continuara a ajudar, mas de forma contida em sua casa,  ensaiando com meninas cânticos das solenidades dos santos e sempre que a alguém a procurava pra pedir sua opinião  em relação a algo, ela prontamente atendia.
     Além dos relevantes serviços prestados a  capela, Lindalva assumiu em 1959 o cargo de oficial do cartório de registro civil, perdurando até março de 1992, foi também professora  juntamente com sua irmã Maria Nilza, era agricultora e trabalhou por muitos anos como diretora da loja de seu primo Silva Antero.
    De modo geral fostes querida, isto baseia-se por as várias pessoas que por ela tiveram admiração, a escolhendo como madrinha, seja de batismo, consagração e das fogueiras chamando carinhosamente de "Madinha Lindalva".
Falece aos 11 de novembro de 2000, é tida como uma das personalidades ilustres da terra.

Entrevistas:

Antônia Rodrigues;

Eulália Nali Pereira Souza;

Gracina Maria Feliciana da Conceição;

Pedro Natalício da Silva.

Fotos: Arquivo familiar


Fontes consultadas: 

Caderno de batismos de 1921-1922, folha 97 - Assaré-CE 

livro de Tombo II, folha 97 - Farias Brito-CE