30 de março de 2016

Parabéns, Dona Loura!

Antônia Rodrigues (Loura)


      Parabenizamos nesta data 30/03 a Sra. Antônia Rodrigues, mas conhecida como Loura, (Irmã de Dona Lindalva e Niza Rodrigues), filha de Maria Rodrigues e Raimundo Rodrigues, nascida em 30 de março de 1936, completando 80 anos de vida.
     Dona Loura, foi professora particular no Sítio Genipapo-Assaré-CE, além de ter participado efetivamente de todos os eventos realizados pela Capela de São José, na época sob a coordenação de sua irmã Lindalva, que contava com sua ajuda, e de sua irmã Niza Rodrigues.
       Uma personalidade, que muito participou de nossa história, principalmente no âmbito religioso. Por isso nesta data tão especial, não poderíamos deixar de desejar muita saúde, paz, felicidade e muitos anos de vida!

PARABÉNS, DONA LOURA, POR SEUS 80 ANOS DE VIDA!

28 de março de 2016

Didi Artesanato: Criatividade, encanto e dedicação.


1. Didi trançando palha de milho


       Antônia Arilene Costa Rodrigues, mas conhecida por Didi, nasceu em 22 de outubro de 1970, é uma das personalidades que encanta com seus belos trabalhos. Filha do casal José Antônio da Costa (Zé da Costa) e Francisca Alcântara Costa (Alaíce). Didi começou a trabalhar como em geral, bem cedo desenvolvendo o trabalho do crochê, inspirada por seu avô Antônio Dias de Alcântara, artesão que fazia chapéus de palha. Foi no aprimorar de sua atividade que no ano de 2003 foi registrada e fez o curso de trançado palha de milho, facilitando o desenvolvimento de seu ofício.


2. Loja e residência de Didi Artesanato

      Utilizando sua residência em Quincuncá, ela expõe aos clientes, as peças que produz, com preços bem atrativos que vão de R$10.00 a R$300.00, sem contar com a grande variedade para escolha. Boa parte dos objetos para ornamentar os ambientes são feitos de palha de milho, com a armação de ferro ou madeira, cada peça tem seu encanto e para ganhar um toque especial, as palhas são tingidas na cor que desejar, neste cado a palha é proveniente do roçado da família ou de conhecidos, ambos armazenam um estoque para trabalhar durante todo o ano. São baús, bandeja, móveis em miniatura, cadeiras, sapateiras, luminárias e muitos mais.


3. Vaquejada de Farias Brito em 2007 - Didi e "Claudinha"

       Também comercializa na Expocrato, Praça da Sé-Crato, Vaquejada de Farias Brito-CE, na Refesa em Crato onde vende aos 2° final de semana de cada mês (Quinta, sexta e Sábado) São 28 artesãos que participam da comunidade Kariri Criativo, juntos estão organizando a criação da associação que conta com o apoio da UFCA de Juazeiro, SESC Crato e Banco do Nordeste. ambos vendem produtos diferenciados
       Em junho de 1993, casa-se com Nilton Rodrigues Pereira (Nilton) com quem teve 02 filhas: Adrielle Rodrigues Costa e Gabrielle Rodrigues Costa. Seu esposo a ajuda para o bom êxito do trabalho.

4. Nilton Rodrigues - (Esposo de Didi)
       Além do trabalho feito com a palha, Didi também fabrica toalhas de banho, conjunto de cozinha, pano de prato e etc. Produtos feitos artesanalmente,com dedicação e carinho para agradar seus clientes.

5. Didi, fabricando uma peça para cozinha

Quem se interessar e quiser conhecer mais o trabalho, deve entrar em contato pelos números: TIM: (88)99953-253 Ou (88)99847-2338.

Acompanhe alguns dos produtos fabricados:


6. Toalha de banho - (Didi Artesanato)
7. Bolsa em palha (Didi Artesanato)

8. Jogo de Sofá e centro em miniatura (Didi Artesanato)

9. Cadeira de palha (Didi Artesanato)
10. Passarela de Mesa (Didi Artesanato)

11. Pano de Prato - (Didi Artesanato).

Entrevista:

30/Dezembro/2015 - Antônia Arilene Costa Rodrigues (Didi), 45 anos.

Fotografias:

Imagens: 01; 02; 05; 06; 07; 08; 09; 10; 11 - Francisco Guilherme
Imagens: 03; 04 - Antônia Arilene C. Rodrigues (Didi).


ATENÇÃO: Texto e fotos do autor é permitido sua reprodução total ou parcial, desde que citem o autor, quanta as demais fotografias, fica a cargo de autorização da entrevistada.

23 de março de 2016

Familiares de Chico Melquíades procura parentes no Ceará


Francisco Moreira Holanda, nasceu em 08 de outubro de 1925, era filho de Melquides Moreira Holanda e Generosa Bezerra de Menezes, falecido há cerca de 05 anos, com 87 anos, seus familiares, principalmente seu neto o Sr. Wellington Farias entrou em contato conosco e pediu ajuda para encontrar parentes de seu avó aqui no Ceará.
O que se sabe é que Seu Chico Melquiades, como era mais conhecido, quando saiu do Ceará, era um rapaz, o motivo de sua partida segundo afirma seu neto, foi o seguinte: " saiu da serra do Quincuncá, como ele falava e não voltou mais, fugiu de lá, por os pais dele ter falecido e os tios colocaram ele pra correr, isso ele contou para minha mãe que era a filha mais velha e gostava muito dela, mas depois essa história ficou encoberta, mas eu acredito que seja verdade". Casou-se em Pau dos Ferros-RN, que fica na divisa de Rio Grande do Norte com o Ceará, porém viveu sua vida na cidade de São Francisco do Oeste-RN.
Acompanhe no vídeo acima, o momento em que o senhor Francisco Moreira Holanda, nos conta sobre seus pais.

Veja o vídeo completo abaixo:



Compartilhe

20 de março de 2016

Festa de São José 2016 em Quincuncá


     Foi celebrada com júbilo, a festa de São José, padroeiro de Quincuncá-Farias Brito-CE. Os festejos iniciaram no dia 10 de março (quarta) com caminhada com a bandeira e a imagem de São José saindo da rua Ladislau Pereira, da residência do Sr. Antônio Gonçalves, e se encerraram no dia 19 de março de 2016, data que foi celebrada a tradicional Missa e procissão pelas ruas da comunidade.             A festa este ano, teve como tema: "Sede misericordiosos como nosso pai é misericordioso" em comunhão com toda a Igreja Católica, que celebra o ano da misericórdia. A programação da festa se resume em momentos de oração com novena, Santa Missa, caminhadas para as residências com a imagem do padroeiro, além de momentos sociais com leilões e quermesses. Porém, desde o dia 1° de março que reza-se na capela o novenário de São José, estendendo-se até o próximo dia 31 de março com a derrubamento da bandeira, simbolizando assim o final das festividades. 
     Durante o período oficial da festa de 10 a 19 de março, Quincuncá acolheu várias comunidades, que vieram suas homenagens, pedidos de graça e agradecimento a São José, este é um momento de reavivamento da fé, de reencontro entre os filhos da terra, bastante aguardado na comunidade. A devoção nesta terra, surgiu a partir do fervor particular do Sr. José Rodrigues da Silva, que aqui construiu com sua família a primitiva capelinha em honra do patriarca, de lá pra cá, a comunidade cresceu e continua a manifestar sua fé e devoção ao padroeiro. 
  
ACOMPANHE ALGUMAS FOTOGRAFIAS:

Imagem de São José. Foto: Gabriel Tomaz
Antônio Gonçalves hasteando a Bandeira de São José.  Foto: Gabriel Tomaz
Novena de São José. Foto: Gabriel Tomaz
Fiéis presentes na abertura dos festejos. Foto: Gabriel Tomaz

Fiéis, presente na novena. 13 de março de 2016. Foto: Pascom Quincuncá

Diácono Auricélio do Amaro/Assaré. 18.03.2016
Missa de São José - 19/03/2016.  Foto: Francisco Guilherme

Procissão de S. José. 19/03/2016.  Foto: Francisco Guilherme

Leilão popular. 18.03.2016

Quermesse. 19.03.2016. Foto: Francisco Guilherme

VÍDEO DA PROCISSÃO 2016...


ATENÇÃO: Texto e algumas fotos do autor pode ser reproduzida totalmente ou parcialmente, desde que cite o autor: Francisco Guilherme. As demais requer autorização do autor.


* Fotografias / Colaboração de Gabriel Tomaz e Pascom Quincuncá 

10 de março de 2016

Sanfoneiro Artur Dias


        Artur Dias de Santana (Artur Dias) nasceu em 01 de setembro de 1904, era natural de São Pedro- Piauí, filho de João Dias Fonseca e Etelvina Maria da Conceição. Em 1917, quando Artur contava com 13 anos faleceu repentinamente seu pai João Dias, o que o levou a trabalhar na roça, junto com sua mãe e seus 14 irmãos para garantir o sustento da família.
         Na década de 1920, Casou-se com Antônia Silva Oliveira (Mulatinha) com quem teve 08 filhos: Josefa, Marlene, Hilda, Alaíde, Ceci, Dedice, Joaquim, Alonso, teve ainda Eliseu, este fruto de um relacionamento com a sra. Joana Silva. Carismático, Artur Dias conquistava, grande legião de amigos, fascinados pela sua habilidade de tocar sanfona, em Quincuncá, localidade circunvizinha, onde residia seu irmão "Zé Dias" as principais amizades era Herculano Pereira; Dona Leocarda; João da Costa; Leonardo Pereira; Lindalva Rodrigues, Seu Artuzão, Luíz de Vigário, dentre outros.
       

      Grande sanfoneiro e seresteiro, tocava não só como meio de vida, mas porque apreciava aquele instrumento, não se sabe se foi por influência de alguém, e em que década começou a tocar, seus filhos(a) afirmam que desde cedo Artur já fazia apresentações, indo até para outros estados.
      Foi por meio do seu talento que Artur alegrou muitas noites, era frequentemente convidado a tocar em festas de aniversário, casamento, salões de dança, por meio deste trabalho "ganhava seu pão", não se dispensava as vezes que ele tocava entre amigos, apenas como divertimento.
      Além disso, era proprietário de terras, gado, um engenho de pau, desativado em 1963, que era movido por animais, do qual ele era mestre de preparo do mel da rapadura, onde produzia-se: alfenim, rapadura e levava à Farias Brito ou Crato, no lombo de animais para a venda, era também agricultor.
        Na década de 1950, época do demolimento da antiga capelinha de São José em Quincuncá, e a construção da atual, Artur Dias vinha aos finais de semana tocar, enquanto voluntários carregavam tijolos, provenientes de um terreno próximo da Barragem, possibilitando que os mestres continuassem a erguer as paredes e a torre do templo durante a semana.
        Entre os anos de 1961 e 1962, Artur comprou um caminhão, juntamente com seu genro Antônio Costa Dias (Toca), para facilitar a chegada nas festas, anos mais tarde vende-o e adquire um jipe, que vai apresentando defeitos, chegando um momento de que o veículo não funciona, em 1968 decide trocá-lo por uma casa na atual Rua São Cândido em Juazeiro do Norte-CE.


        Residiu a maior parte de sua vida no Sítio Genipapo no município de Assaré-CE, ficava dias ausente devido a viagens para localidades distantes com vista em atender convites para tocar sanfona, em 1975 ficando viúvo, casa-se a 2° vez com Maria Xavier de Santana, com quem passa 21 anos casado, e tem mais 04 filhos: Alexsandra, Samara, Luís Carlos e Etelvina Carlos. Nessa época chegou a residir em Juazeiro do Norte-CE para tratar de problemas de saúde, e  no distrito do Amaro/Assaré-CE onde viveu seus últimos dias.
       Um homem que não gostava de tristeza, antes de falecer fez o pedido a sua esposa de que ninguém chorasse, nem por ele fizesse luto e ainda de que o cortejo fúnebre e sepultamento fosse acompanhado por "Chico Paz", também sanfoneiro. Dias após falece Artur Dias as 17:00h da tarde do dia 12 de novembro de 1996 com 92 anos, mas  como na ocasião de sua morte o seu amigo sanfoneiro estava ausente, combinaram com o sobrinho João, que tinha uma vitrola, de reproduzir uma fita de Artur Dias tocando, e foi desta forma, atendido seu pedido.


Entrevistas:

Antônia Alaíce Dias Oliveira, 74 anos

Ceci Dias Pereira, 82 anos

Maria Xavier de Santana, 64 anos

Cândida Alves Moraes, 82 anos

Fotografias:

Fotografia em 1958 - Demar Dias
Artur Dias em 1984 - Maria Xavier